Trump, Lula e suas “coincidências”

 

Foto oficial

Confesso que fiquei surpresa com a eleição de Donald Trump para a presidência. Pode-se falar o que quiser, apresentar qualquer justificativa sociológicamente explicativa, mas esperava mais dos norte-americanos. Eles não seriam capazes de eleger uma besta, mesmo que fosse para derrotar a Hillary.  Vejam o que faz a ignorância sobre o que passa pelo mundo.

Tivessem os norte-americanos prestado um pouquinho de atenção ao que ocorria no maior país da América do Sul (Brasil, para quem não sabe) teriam identificado aonde levaria (levará?) aquele discurso idiota, típico de uma republiqueta de bananas cuja sociedade acredita em indivíduos todo-poderosos que poderão resgatá-los de suas dificuldades.

Nós sabemos no que dá tal empreitada.

No início ficamos meio atordoados com as promessas e medidas apoteóticas, mas passado algum tempo, a realidade vem com a conta. Espero que a realidade seja mais rápida por lá. E reparem que a foto é ameaçadora. Ele veio “causar”e avisou antes.

Nosso Trump é mais discreto e enganador. Vejam pela foto oficial abaixo. Todo sorridente, amigável, com cara de coração mole….  E roubou e deixou robar como ninguém mais. Levou a corrupção no Brasil ao estado da arte. Trump é cópia cuspida e escarrada do Lula, apenas é louro, alto, olhos azuis e um diploma de Wharton School.

Foto oficial

 

EFICIÊNCIA

Por mera coincidência, resolvo começar meus registros exatamente no dia em que a Polícia Federal retoma sua rotina de ações de prisão, condução coercitiva e busca e apreensão. É a primeira do ano. Desta vez mais um empresário famoso (Eike Batista) receberia voz de prisão se, misteriosamente, não tivesse embarcado para New York em voo que deixou o Rio de Janeiro na noite do dia 24. Sozinho e, provavelmente, com seu passaporte alemão. Ele está em NY mesmo, sei por que ele viajou na classe executiva de um voo em que viajou um amigo de minha filha.

Então vamos aproveitar o tema: Operação Lava-Jato.

 Desde março de 2014 o país vem sendo sacudido a intervalos inesperados com a maior denúncia de corrupção do país. Maior em volume de dinheiro e no alcance político e empresarial. As cifras são astronômicas. Na Operação Eficiência de hoje, um desmembramento da Operação-Mãe – Lava-Jato, em apenas uma operação de propina envolvendo o ex-governador do Rio, Sergio Cabral, chega a impressionantes US$ 16,5 milhões. No total foram US$ 100 milhões.

O sangue quase ferve quando a gente ouve falar do volume de dinheiro movimentado por empresário, políticos e agentes públicos. Por trás desses números estão a quebra financeira da maior empresa brasileira, a Petrobras, a quebradeira geral do país provocada pelo gigantismo do Estado brasileiro, e a falência dos estados governados por aliados do governo que acumularam dívidas contando com a permanência de aliados no comando do país e com a impunidade de um esquema que envolve pessoas tidas, até então, como intocáveis.

A lista de presos é extensa. Além de Eike Batista, ainda não preso, o ex-presidente da Odebrecht – Marcelo Odebrecht , e o ex-governador do Rio – Sergio Cabral. A imprensa, num gesto bastante louvável, ignora que o pai de Sérgio Cabral é uma figura conhecida da cultura carioca, o jornalista, escritor e compositor Sérgio Cabral. Segundo a revista Veja: “O jornalista Sergio Cabral, pai do ex-governador do Rio, está com Mal de Alzheimer. Quando perguntado sobre o que aconteceu com seu filho, preso na operação Lava-Jato, ele responde que o menino morreu ainda criança.”